encontro

 em parceria com Nélson, o das uvas.

Traga a carta de vinhos
minha companhia alonga-se na demora

meu relógio e eu, sozinho

os minutos passam e as flores murcham

aquilo corroendo as paredes, eu sei, é o tempo

das paredes ulcerosas brota a impaciência

nada chega.

Traga a carta de vinhos.

Chilenos, argentinos e brasileiros. Só. É um restaurante latino-americano?

Que seja.  traga um de rótulo bonito. Um que não tenha rolha.

Não há rótulos bonitos em latinoamérica. Só índios – disse-me o insolente maître.

Então me traga uma puta pra me fazer companhia.

Aqui não. Dois prédios à direita, sim?

Sim, certo. Então uma água, um camembert, uma taça de dignidade?

Servimos apenas estes vinhos. Espera de nós dignidade?

Silvinha chega enfim ao restaurante. Me encontra afundado entre o mâitre e as migalhinhas de pão. Estava conhecendo-a agora. E já não tinha uma boa impressão dela. Além de atrasada, estava feia. Parecia que havia saído de um salão de beleza enquanto ainda penteavam seu cabelo.

Ela amarrou a bolsa na cadeira e se sentou com um ruido abafado. Oi! Desculpa o atraso viu? é que rolaram uns imprevistos e… enfim! cheguei!

Olhei-a com escárnio. Como podia se atrasar tanto pro nosso primeiro encontro? Resolvi ser cruel.

– Hoje a conta é sua, baby.

Ela passou a mão no cabelo, e não respondeu se sim ou se não. Além de tudo devia ser avarenta. O vinho chegou. Era chileno. Tinha nome de santo.

 

Vamos conversar, pensei. Olhei para o vinho e fiz uma careta. Parecia péssimo. Era suave, ainda por cima.

          – Quais os imprevistos que enfrentou?

     – Ahn, bem. A… a minha mãe ligou pedindo pra buscar ela, porque… porque ela tinha sido assaltada.

Em outras palavras, ela passou tempo demais no banho e usou o secador pra construir aquele Frankenstein que ela chamava de penteado.

– Foi você quem fez esse penteado?

– Não… estive no salão antes de tudo isso. Gostou? – disse enquanto sorria e alisava a cabeleira loira

– Horrível.

O sorriso esvaiu rapidamente de sua face. O silêncio na mesa contrastava com o tilintar de garfos e derramar de líqüido nos copos das outras mesas. Bebia o vinho calmamente. Não estava tão ruim assim.

 

Eu ia estourar seu cartão de crédito, ela sabia disso.

 

Ela começou a parecer indignada, mas não sabia bem o que fazer. Torcia e destorcia o guardanapo no colo, fez que ia falar, não falou. Veio o mâitre: Já sabem o que vão pedir?

 

– Já sabemos, querida?

– Não, por que você não escolhe? – quis ser gentil. Sua gentileza iria lhe custar uns 500 reais.

– Primeiro, petit gateaux. Um pra cada. Depois, lagosta e paella. De acordo, amor?

O maître olhou meio assustado. Talvez por pedir uma sobremesa de entrada. Mas queria doce e não queria rodeios.

– Sim, Joseval… – assentiu resignada.

 

O maître saiu feliz.

Ela começou a me olhar com ódio. Era divertido ver a pálpebrazinha de baixo tremelicar. Quando o garçom trouxe os dois bolinhos de chocolate como entrada, ela já estava à beira das lágrimas.

 

Ela comeu. Pareceu um pouco melhor. Chocolate e mulheres, vá entender.

 

– Está gostando? Eu estou achando ótimo. Ah, roubaram o que de sua mãe? Ela está bem?

– Poderia ser melhor. Roubaram pouca coisa, só a bolsa. O problema são os documentos mesmo. A propósito, acho que não tenho dinheiro para pagar a conta toda. – tentou revidar.

– Nem eu. Também fui assaltado.

 

Choque.

 

– vamos cancelar os pedidos.

– Está louca? Estou morto de fome! Você tem idéia do quanto se atrasou?

– Eu te pago um cachorro quente lá fora! Não. Vou. Lavar. Pratos. Não vou. Ponto.

Ela levantou, foi atrás do mâitre. Pediu desculpas e a conta.

 

– Desculpe, senhora. Mas é norma da casa não cancelar pedidos de pratos que já foram preparados.

– MAS EU NÃO TENHO DINHEIRO! – gritou, chamando a atenção de todo o restaurante. Ainda por cima era indiscreta. Resolvi deixar o restaurante de fininho.

Passei pela porta giratória e pedi um táxi. Entrei e mandei o motorista acelerar.

 Ainda deu pra ver Silvinha correndo atrás atabalhoada, de salto alto, uivando um Filho da Puta!!!!!! assim, com diversas exclamações mesmo. É. Descabelada, avarenta e mal-educada. Desculpe Silvinha, mas eu e você… não era pra ser.

Anúncios

15 comentários sobre “encontro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s