noite de estréia

Porque também tem isso

Assim essa dor sem razão

Que eu sei

E tu sabes

E agora ela sabe

Que é isso assim

Que é como sangrar pra dentro

Um sangue silencioso e sem dono

Que é como um veleiro morto

Que é como ter um terceiro olho

Furado e vazando humores

Que é como perder meu tempo

Desfiando a linha da caneta vermelha

Porque eu já sei,

tu o sabes

E agora ela sabe

E,

diabos!,

todo mundo sabe,

Até o último de nós.

Que é essa compulsão (imaginária?)

Ânsia constante

E a vontade estúpida porque irrealizável

De deitar as mãos nos joelhos

E vomitar pássaros

Que é o pingo de leite

Espiralando lindo no meu chá

Que é o órgão cuidadosamente extirpado

Só para descobrir:

O vazio também pulsa.

Que é não andar sobre brasas

mas aguardar que se apaguem

enrolado num lençol de sono e tédio

que é essa merda toda mesmo

(pardon)

e tu bem o sabes

assim como eu sei

e ela agora também sabe

porque todo mundo sabe,

até o último de nós.

E porque não é nenhum segredo.

Quem sabe doer,

Começa cedo.

teddy_by_jacks0n.jpg

Anúncios

incerto

e que vidente irá abrir as entranhas de um peixe e ler, não o futuro, mas suas próprias vísceras?

e que astrólogo olhará para cima e enxergará, não deuses e feras, mas a perfeita cúpula azul que o guarda?

e que relojoeiro quebrará o relógio para consertar o próprio tempo?

e que cigana pisoteará os vidros de suas poções, sangrando os pés e se apaixonando pelo chão onde pisa?

e que cartomante virará as cartas cruelmente, sabendo que a sorte se decifra apenas  nas costas de seu baralho?

e que quiromante, me vendo as linhas da palma, enxergará o fio rompido que era a criança que eu levava e que um dia,

no meio da praça,

soltou minha mão.

Eva

moda.jpg

Algumas costurarão

(em vão)

suas partes mais mais castas

e permanecerão

pra sempre

sacras

Outras farão do amor biscate

sem que para isso lhes baste

mais que uma piscadela

 

E haverá aquela que sai à caça

Te cerca, te pesca e te castra

Caso faças escárnio dela

Há a que te desata das costas

O crime mais antigo

A que te dará tudo

Escolha, castelos, abrigo

E só pedirá que a ame

 

Mas isto também é um castigo.

 

Não descarte o conselho,

Sr. meu amigo, porque é fato

(apesar de não justo)

a oferta pode não ser escassa

mas cada costela

tem seu custo.