cachurrinho

Esta manhã tive um cão provisório.

Eu sou este cão.

Eu não te conheço mas paro e ponho o nariz à tua volta

e te lambo os dedos

e como se nos conhecêssemos de longa data

boto as patas no teu peito.

Tenho coleira e não tenho dono

nem nada para fazer exceto

te levar seguro ao teu destino familiar,

e se me entusiasmo e você pensa que fujo

me encontra pacato e paciente numa próxima esquina

pra romper a corrente das ruas sem olhar para os lados.

Me guio cego pelo teu caminho.

Te sigo sem correia ou obrigação

para ver por onde você vai

aonde dão estes degraus

e te entregar intacto na estação,

abanando um rabo branco em vez de um lenço

numa partida do trem

Esperar na saída para talvez escoltar outro alguém

ou te esperar até o fim do dia

seu, dentro dos limites do bairro

perto da sua casa e na sua rua

onde sua jornada termina ou onde ela começa

enquanto estiver ao meu alcance

porque eu não te conheço

mas você me fez uma festa.