Eu quero ser o sonho de alguém.

Eu quero ser um animal

formidável e elástico.

Eu quero ser teu brinquedo recém tirado do plástico.

 

 

 

ah, o caramelinhos voltou! agora com novos ingredientes!

dá um pulo lá! 😉

Anúncios

read me

© Colleen Rochette, 2008

Alguns de nós se crêem devoradores de livros, mas são os livros que nos devoram. Diz-se o contrário, mas é o que acontece. Fica na sua cabeça, entra pelos olhos e fica ali te comendo por dentro.  Quando você vê, te acontecem os absurdos, as fantasias se avalanchando na sua existência bem existente, que antes vivia emoldurada por quatro paredes feitas de chão. Quando você vê, deixou crescer bigode e maneirismos. Quando você vê, já está com os olhos viciados de ver enredos, se legendando nos rodapés. Enredado no próprio enredo, entremeado na própria trama, é impossível desviar das próximas páginas, o inevitável encontro contra a capa. E aí, meu amigo, era uma vez.

These are a few of my favorite things

 

lagartixa

quando a pessoa da frente já aperta o botão da maquininha de ficha da orca

sol amarelo que não esquenta

chocolate

mirellas

meia colorida

estrear roupa (a primeira vez que você usa uma roupa é muito importante, ela fica marcada pra sempre com o que acontecer)

random acts of kindness

amigos durante a semana

quando lembram pouquices e pequenezas a meu respeito

ler a sorte na lateral dos caminhões

deitar na bêbada na grama molhada

sonhos estranhos

cheiro de biscoito

musica andando (o cara que inventou o walkman, esse sabia o que fazia)

escreversemdarespaço

boas notícias empacotadas todas juntas

quando é bom só porque

livro bom

coragem, estômago, audácia, guts, guts, guts

neurosezinhas

catarsezinhas

expectativa (nomis vulgaris: friozinho na barriga)

cachurrinhos (coraçãozinho do msn aqui)

churros

o vô

hey, babe, take a walk on the wild side tchu tchuru tchu thcuru tchu tchu ru

com nome na lista é déiz.

Célia

Que seja, eu quero meu período de luto.

Morte é pra ser chorada,

Diga isso às viúvas respeitáveis

E estóicas à beira dos mortos.

Eu quero o meu guarda-roupas preto

(as revistas de moda não descobriram; não é o preto que emagrece,

É a dor)

Que seja, morte é morte

E não tem volta

A alma não se realoja depois que se solta

Então que seja

Eu vou te chorar

Enquanto preciso for

Muito prazer,

tua carpideira

Ao teu dispor.

 

Teresa

Coração é feito regra.

Funciona melhor se for quebrado de vez em quando.

 

 

Brigite

Não me pense amarga, não sou.

Eu chupo balas, pirulitos, estalo m&ms entre os dentes.

Eu sorrio

E quando estou feliz fico lustrosa feito balão

Mas tenha paciência,

pessoas não podem ser adoçadas artificialmente.

 

Corina

Querominhamãe.

 

Maira

O horror, o horror, o horror.

(Chamando 3 vezes, de repente ele aparece.)

 

Catarina

Se ela não era travesti, devia era prestar vestibular pra homem.

 

Ingrid

Sou feia, não me ressinto. Estou acostumada a não atrair olhares quando entro no recinto. Sou feia, eu sei, e está bem. Odiaria me perguntar se gostam do meu corpo ou se de mim. Não é preciso se preocupar demais com as maquiagens ou com os méritos. E ademais, as pessoas pensam que você é inteligente, automaticamente, é incrível. Você sabe o que se diz dos cegos, os outros sentidos se desenvolvem para substituir a visão. Com os feios é igual. As pessoas não conseguem olhar pra você e substituem a visão com a crença de você é inteligente, “bonito por dentro” (mais vermelhinho que o normal?jamais entendi), talentoso ou que sabe assobiar. Já reparou? Gente feia assobia que é uma beleza.

 

Rita

Mas é que eu.

Peralá.

Isso daí já é um pouco bonitinho demais para eu sair dizendo por aí.

 

Glória

Me encontre pelas esquinas, estarei esperando em um ponto qualquer.

Me disseram que os cavalheiros devem andar sempre pelo lado de fora, livra as damas da lama que fazem respingar as carruagens.

Fico parada esperando quem acompanhe.

Mesmo sozinha qualquer um pode ver.

Eu só caminho pelo lado de dentro.

 

Mari

Mas pode me chamar de mariquinha.